Eric Royer Stoner

Eric Royer Stoner, norte americano de nascimento,  agrônomo por formação,  se dedica há décadas à conservação da floresta e preservação das culturas indígenas na Amazônia.

10603542_572997936144048_4890822805219674513_nComo foto-intérprete das primeiras imagens feitas pelo satélite Landsat do território brasileiro,  no Instituto Nacional de Pesquisas Espacias (INPE) , ou, como pesquisador na Embrapa/Cerrados e posteriormente, como gestor, na Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) por 21 anos, Eric vivenciou alguns dos principais processos socioambientais do Brasil durante as últimas décadas.

A tiracolo , de maneira despretensiosa,   a velha câmera fotográfica que lhe acompanha desde a adolescência. Com a determinação que lhe é peculiar, fotografou com afinco os temas que lhe chamaram a atenção, películas Ektachrome e Kodachrome, entre outras .

Técnológico, o pesquisador/multimídia constituiu,  ao longo deste período, um acervo com milhares de fotografias e videos de tudo ao seu redor.  A fotografia está presente o tempo todo. Imagens de rara sensibilidade e conteúdo informativo. É incrível.

Respostas rápidas sobre fotografia do pesquisador / fotógrafo Eric Stoner a seguir


 

P: O que mudou na fotografia com a revolução tecnológica?

R: Para falar a verdade, sinto muito falta do meu Kodachrome, mesmo quando precisava esperar duas semanas para ver o resultado das minhas capturas. Mas os avanços na tecnologia fotográfica compensam pela simplicidade e rapidez de poder documentar as culturas e as tradições (e as línguas) que corriam o risco de serem perdidas.


Parque Indigena do Xingu
©Eric Stoner


P: Qual o poder da fotografia

R: A fotografia tem o poder de diminuir a distância entre o observador e o objeto, criando ambiente propícia à reflexão e à empatia.

Conselho Consultivo
P: Porque a fotografia??
R: Porque a fotografia? Como observamos na aldeia Kamaiurá, a fotografia documental possibilita a transmissão instantânea de memórias, de uma maneira que as palavras dificilmente tem o poder de captar e sintetizar