Construindo Sustentabilidade

Frei Henri des Roziers, o advogado dos sem-terra

Revista CartaCapital

Defensor dos sem-terra no Pará por mais de uma década, frei Henri Burin des Roziers fala do País de hoje e dos anos setenta e oitenta.

Em seu quarto no convento Saint-Jacques, em Paris, a 12 mil quilômetros de Rio Maria, pequena cidade do Pará onde defendeu na Justiça inúmeros camponeses sem-terra, o frade dominicano e advogado Henri Burin des Roziers, 85 anos, recebe CartaCapital para falar da sua experiência no Brasil, onde foi morar em 1978. Rio Maria,

campeã de assassinatos por encomenda de líderes sindicais, é conhecida como “a terra da morte anunciada e, por isso, virou símbolo da luta camponesa no Pará.
O advogado dos sem-terra pertence a uma tradicional família francesa. Estudou em Cambridge e fez doutorado na Sorbonne,  antes de se tornar alvo de matadores profissionais. Em 2005, recebeu o Prêmio Internacional dos Direitos Humanos, na França, onde, em 1994, fora condecorado com a Légion d’Honneur.

Leia entrevista CartaCapital na íntegra. >> CartaCapital

Imagens do post >> Acervo H 

A volta da “lista suja” do trabalho escravo

Diante da liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal proibindo o governo federal de divulgar a “lista suja” do trabalho escravo, a lista volta a aparecer, com base na Lei de Acesso à Informação, via solicitação para que o Ministério do Trabalho e Emprego fornecesse os dados dos empregadores autuados e que tiveram decisão administrativa transitada em julgado, entre dezembro de 2012 e dezembro de 2014.          Continuar lendo.

Trabalho Escravo

Trabalhadores mostram aos jornalistas a indenização paga pela Pagrisa, empresa do setor sucroalcooleiro do Pará, autuada pelo grupo móvel do Ministério do Trabalho durante operação de combate ao trabalho escravo.
Formado por seis auditores, um procurador e cinco agentes da polícia federal, o grupo móvel chegou à empresa através de denúncias anônimas e constatou, de acordo com Humberto Célio, coordenador da operação, que 1.108 trabalhadores eram submetidos à jornada excessiva de trabalho,  atraso de salários, alojamentos superlotados, esgotos a céu aberto, entre outros problemas, configurando condição de trabalho análogo ao escravo.
Ulianópolis, Pará, Brasil.  03/07/2007
Foto Paulo Santos

A Precariedade do Trabalho na Amazônia

 João Meirelles Filho, diretor do Instituto Peabiru, publica análise sobre a relação entre as problemáticas socioeconômicas da Amazônia e o trabalho precário, que explicaria, em boa medida, a concentração de renda, o caos social, a atitude servilista-paternalista e o coronelismo político.

Veja em sua coluna na revista Página 22
Imagens (esquerda para direita) Pecuária,  garimpo do Juma,  garimpo no Xingu, Arco de Fogo, carvoariasUHE Belo Monte
Fotos Paulo Santos

Direitos indígenas em xeque: ambientalistas x ruralistas no Congresso Nacional

Parlamentares, representantes de ONGs, organizações indígenas, indigenistas e quilombolas voltam a discutir estratégias para enfrentar, no Congresso Nacional, a proposta de mudança na Constituição que transfere do Executivo para o Legislativo poder de demarcar Terras Indígenas e Territórios Quilombolas, bem como criar Unidades de Conservação, alterar limites e a recategorização previstas no SNUC. A proposta chegou a ser arquivada no final do ano passado após uma intensa campanha dos movimentos sociais e ambientalistas, mas retomou com força na atual legislatura. Ler mais

Índio Cinta Larga, Espigão do Oeste , Rondônia Brasil.
Foto Paulo Santos, 2004

Pará é campeão de assassinatos por questões fundiárias

Seis pessoas foram assassinadas na área de Conceição do Araguaia, no Pará, em função de conflitos por terra numa fazenda destinada a assentamento. Segundo a polícia e testemunhas, os moradores vinham sofrendo ameaças e sendo incitados a deixar o lote que vinham ocupando há poucas semanas, na expectativa de serem assentados definitivamente assim que terminasse o processo em andamento no INCRA. Leia mais

Ver galerias de imagens sobre violência no campo

São Felix do Xingu, Pará, Brasil. Foto Paulo Santos, 2003

Preso grileiro responsável por 20% do desmatamento da Amazônia

Operação do Ibama desarticula quadrilha de grileiros no Pará


O Ibama divulgou nesta segunda-feira  23/02 a prisão do maior grileiro da região da BR 163. A ação aconteceu no último sábado, em Itaituba, no Pará e faz parte da Operação Castanheira.
Deflagrada pelo Ibama, Ministério Público Federal, Receita Federal e Polícia Federal, a operação desarticulou a maior quadrilha de grileiros que operava na região respondendo por 20% de todo o desmatamento da Amazônia.

Fonte EBC Rádio Agência Nacional

Operação Ibama e Greenpeace 

Mais de uma década de operações na Amazônia.

Helicóptero do Ibama sobrevoa pátio com madeira apreendida durante operação no Pará.

Uruará, Pará, Brasil.  Foto Paulo Santos  2001

Desmatamento na Amazônia volta a crescer em janeiro

Desmatamento na Amazônia volta a crescer.


Segundo boletim do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), foram detectados 288 km² de desmatamento na região em janeiro de 2015, um aumento de 169% em relação ao mesmo período do ano passado, quando este número foi de 107 km².

Revista Exame  23/02/2015 15:49


Carvoarias

Conhecida como carvoaria Km 4 na estrada de Coaxi, a maior carvoaria da região com 1200 fornos queima  madeira retirada da floresta  para produção de carvão vegetal.
Ulianópolis, Pará, Brasil.
Foto Paulo Santos

A Procura dos Acusados

Um dia após o enterro da missionária americana Dorothy Mae Stang, assassinada em Anapú no Pará, agentes das polícias civil, federal e militar vasculham a região em busca dos criminosos.

Dorothy Stang06V030511©PS

Anapu, Pará, Brasil   Foto Paulo Santos  16/02/2005.

A Prisão dos Criminosos


Raifran das Neves Sales o Fogoió, Clodoaldo Carlos Batista conhecido como Eduardo e Amair Feijoli da Cunha, o Tato, são presos em Anapu e Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, se entrega em Altamira a comissão do senado que investiga a morte da freira e é trazido a Belém. 2005.

Anapu, Pará, Brasil.   Fotos prisão em Anapu por Cadu Gomes  21/02/2005

Belém, Pará, Brasil.   Fotos prisão Bida por Paulo Santos  27/03/2005

Ver mais  >>  A Prisão dos Criminosos

O Julgamento dos Pistoleiros


Raifran e Clodoaldo no banco dos réus.

Julgamento de Raifran das Neves Sales o Fogoió e Clodoaldo Carlos Batista ,conhecido como Eduardo, pelo pelo assassinato da missionária americana Dorothy Mae Stang.

O Julgamento dos Pistoleiros

Belém, Pará, Brasil.  Foto Paulo Santos   09/12/2005

Morte em Anapu


No dia 12 de fevereiro de 2015 completou dez anos do brutal assassinato da missionária Dorothy Mae Stang, aos 73 anos de idade. Ela foi morta com seis tiros à queima roupa, um deles na cabeça, sem a mínima chance de defesa, no município de Anapu, oeste do Estado do Pará. Dos cinco homens julgados e condenados pelo crime, apenas um cumpre prisão em regime fechado, mas por outro homicídio, outros três respondem a sentença no semiaberto e um ainda não cumpriu a pena.

Anapu, Pará, Brasil.  Fotos Paulo Santos   02 / 2005
Ver mais  >>   Morte em Anapu

Dorothy Vive


 Manifestações no municipio de Anapu lembram o primeiro ano do assassinato de Dorothy Stang . 2006

Anapu, Pará, Brasil  Fotos: Paulo Santos  12/02/2006
Ver mais >>  Dorothy Vive

Amair Feijoli o Intermediário


Amair Feijoli da Cunha, o Tato, acusado de ser o intermediário no assassinato de Dorothy Stang é julgado e condenado a 18 anos de prisão. 2006

Belém, Pará, Brasil.  Fotos Paulo Santos  26/04/2006
Ver mais >>   Amair  Feijoli  o Intermediário