O Porto do Lixo

O lixo no Porto do Sal © Ney Marcondes.

Imagens Ney Marcondes

Porto do Sal, que fica no bairro da Cidade Velha, já foi um dos portos mais importantes de Belém, quando servia de espaço para o escoamento de produtos ribeirinhos. Suas atividades foram oficializadas em 1933 e, até hoje, teve apenas uma grande reforma geral neste período, que teria ocorrido em 1990, e hoje sofre com o abandono do poder público municipal





Anúncios

Vozes do Solimões

Rádio Nacional do Alto Solimões completou 10 anos de programação regional


A rádio surgiu através de reuniões quando lideranças dos municípios do Alto Solimões pediram uma emissora que transmitisse informações


Saiba mais >>  captura-de-tela-2016-12-23-as-21-13-44

 

Foto: Pescador de pirarucu em lago da bacia do rio Solimões.
Amazonas, Brasil Foto Paulo Santos

Fazendo Arte com os Suruí

No meio da mata, fotógrafo francês faz projeção 3D mapping para índios Suruís


O fotógrafo francês Philippe Echaroux retratou  índios Suruí em Rondônia para o projeto “A Floresta de Sangue”, e fez projeção 3D mapping dos personagens indígenas como forma de denunciar o desmatamento.

echaroux3

suruicc811

echaroux4

echaroux9

echaroux6

echaroux8

echaroux1

echaroux2


Conheça a etnia >>    Surui Paiter


Première Mondiale: du Street Art au coeur de la Forêt Amazonienne – World First Street Art in the Rainforest. from pays-imaginaire.fr on Vimeo.
>>Philippe Echaroux

Trabalhadores do Lixo

Catadores em atividade no maior lixão da América Latina.

Ensaio de Eraldo Peres.

Lixão de Brasília por Eraldo Peres >> Acervo H

Território Zo’é

Os Zo’é entraram para a história como um dos últimos povos “intactos” na Amazônia. Seu contato com missionários protestantes norte­americanos e com sertanistas da Funai foi largamente noticiado pela mídia, que em 1989 divulgou as primeiras imagens deste povo tupi, até então vivendo uma situação de isolamento.
A Funai tinha conhecimento da existência do grupo desde pelo menos o início dos anos 70, quando procedeu ao levantamento dos grupos isolados que estavam na rota da construção da rodovia Perimetral Norte (BR­210). Na época, o contato com o grupo do Cuminapanema foi planejado, mas a interrupção das obras da Perimetral levaram a Funai a desistir do contato.
Ler mais >> Instituto Socioambiental
Ensaio Beto Barata

O fotógrafo Beto Barata iniciou sua carreira em 1996 como estagiário do depto. fotográfico do jornal Correio Braziliense. Nestes dezenove anos de profissão atuou nas redações dos jornais The Brazilians (EUA) e Folha de S. Paulo (Sucursal Brasilia), na revista Isto é Gente e nas agências Eclipse Photo Agency (EUA), Photoagência e Associated Press (EUA). Em 2001 foi contratado pelo jornal O Estado de S. Paulo aonde permaneceu até o ano de 2013, tendo atuado tanto na sede em São Paulo como na sucursal Brasília. Em 2010 foi convidado a fazer parte do acervo permanente da galeria de fotografias Fine Art, A Casa da Luz Vermelha, de propriedade do fotógrafo Kazuo Okubo. Atualmente faz trabalhos – Free Lancer – para várias agências e publicações nacionais e internacionais. Em 2009 tornou-se mergulhador PADI de nível avançado com especialização em Nitrox e Fotografia Subaquática.

Mais  Zo’é do Beto Barata  >> Acervo H

Jogo de Índio

Edição de jogos indígenas no Pará e Tocantins.

Paulo Santos

Mais Imagens Jogos Indígenas >> Acervo H

Regidos pela lua

 Pescadores da Romana

Ilha da Romana, Curuçá, Pará, Brasil.

Fotos Paulo Santos

Litoral do Pará >> Acervo H

Na Periferia de Belo Monte

Mais de cinco mil casas devem ser demolidas na cidade Altamira (PA) antes que o Rio Xingu seja barrado definitivamente. Cerca de três mil já foram abaixo. As ruas próximas à orla estão repletas de entulho de construção. A negociação para a demolição de outras duas mil casas prossegue entre os que vivem onde será o reservatório da usina de Belo Monte e a empresa que a está construindo, a Norte Energia. Ler toda matéria >>  Fonte:  ISA

Mais imagens Belo Monte >> Acervo H

O Mercado de Peixe

O mercado Ver-o-Peso é uma das atrações mais interessantes da cidade de Belém, no Pará. Considerado a maior feira livre da América Latina, o local ferve com o comércio de peixes amazônicos.

Fotos Paulo Santos

Para ver mais  imagens >> Acervo H

Fim de Feira no Veropa

Tratado intimamento como veropa pelos moradores da cidade, o complexo do Ver-o-Peso  encerra mais uma madrugada de trabalho  para quem veio vender seus produtos na capital.

Belém, Pará, Brasil.

Fotos Ana Mokarzel

Mulher no Brasil: gênero em transformação.

Segundo notícia publicada no Portal Brasil, as mulheres são maioria da população, passaram a viver mais, têm tido menos filhos, ocupam cada vez mais espaço no mercado de trabalho e, atualmente, são responsáveis pelo sustento de 37,3% das famílias. Ler matéria na íntegra.

A Precariedade do Trabalho na Amazônia

 João Meirelles Filho, diretor do Instituto Peabiru, publica análise sobre a relação entre as problemáticas socioeconômicas da Amazônia e o trabalho precário, que explicaria, em boa medida, a concentração de renda, o caos social, a atitude servilista-paternalista e o coronelismo político.

Veja em sua coluna na revista Página 22

Imagens (esquerda para direita) Pecuária,  garimpo do Juma,  garimpo no Xingu, Arco de Fogo, carvoariasUHE Belo Monte
Fotos Paulo Santos

O Carnaval na Lama de Curuçá


O tradicional bloco Pretinhos do Mangue, que usa como fantasia a lama dos manguezais de Curuçá, no nordeste do estado, desfilou neste domingo pelas ruas do município. A brincadeira ocorre há 26 anos e, com isso, tenta transmitir uma mensagem de preservação ambiental. O bloco volta às a partir das 17h desta segunda-feira . Foliões entram no manguezal se sujando de lama durante o carnaval no litoral do Pará.

Curuçá, Pará, Brasil.   Fotos Ney Marcondes   15/02/2015